Campanha Nacional: Segurança bancária é cobrada durante rodada de negociação

Publicado por:Rogerio Novaes

Categoria cobrou prioridade nas questões relacionadas à integridade física e à vida de bancários e clientes. Bancos recusam e negociação não avança. 

Bancos queriam que bancários apoiassem a retirada de sistemas de segurança e vigilantes, bancários se recusaram e propuseram a criação de um GT para debater o tema; bancos se negaram a continuar o debate.

A segurança bancária foi tema da mesa de negociação realizada nesta quinta-feira (28) entre o Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). “Trata-se de um tema fundamental para a categoria bancária, pois está relacionado à vida e à integridade física, tanto dos trabalhadores do ramo financeiro como também dos clientes”, destaca Reginaldo Breda, secretário geral da Federação dos Bancários dos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Uma pesquisa realizada em 2020 pelo movimento sindical em parceria com a Confederação dos Trabalhadores em Segurança Privada (Contrasp) e a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) apontou 839 ataques no setor, entre eles, 321 explosões ou arrombamentos de caixas eletrônicos, 439 assaltos ou tentativas, 34 ataques a carros-fortes e 45 saidinhas bancárias, além de 40 assaltos a correspondentes e outros 86 a agências dos Correios ou lotéricas. No total foram seis mortes no ano.

Durante a negociação o movimento sindical propôs a criação de um Grupo de Trabalho (GT) específico para discutir a questão e elaborar uma nova redação para as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria que tratam sobre segurança bancária.

A Fenaban recusou a proposta de criação do GT e disse que está aberta a debater o tema até o final de agosto e, caso contrário, assumirá a responsabilidade por tocar a pauta de acordo com seus interesses.

Portas de segurança

Ao longo dos anos, a luta do movimento sindical possibilitou avanço na mesa bipartite de segurança bancária com a instalação das portas de segurança, grande conquista para a categoria. Durante a pandemia, os bancos investiram na implantação de lojas de negócios, em substituição às agências. A adaptação retirou as portas giratórias e os vigilantes. Apesar da reação dos trabalhadores contra a medida e da presença de caixas eletrônicos nesses locais, os bancos alegam não existir trânsito de numerário nessas unidades para manter a decisão.

“Para nós do movimento sindical, a vida do bancário é mais importante do que o lucro das agências e locais de atendimento. O custo com a segurança não é responsabilidade dos Bancários. O que temos visto são locais de trabalho de riscos que necessitam urgente de uma intervenção e medidas de segurança rígidas. Não podemos ser negligentes quando o que está em jogo é a vida das pessoas”, destaca Reginaldo Breda.

Negociação não avança

A Fenaban alega que houve redução de 98,5% no número de assaltos a agências e postos bancários de 2000 a 2021 e propõe que a representação dos trabalhadores se juntem aos bancos e atuem contra as normas estaduais e municipais de segurança, que exijam aparatos de segurança além dos previstos na Lei 7.102/1983, que regulamenta a segurança bancária.

O movimento sindical argumentou que os casos reduziram justamente por causa dos sistemas de segurança, considerou a proposta da Fenaban inoportuna e enfatizou que a retirada de portas de segurança e de vigilantes das agências bancárias desrespeita legislações específicas de estados e municípios.

Próxima negociação

A próxima reunião de negociações entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban está marcada para segunda-feira (1º de agosto) para debater sobre saúde e condições de trabalho.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Relacionados

Blue Modern Business Agency Flyer (Post para Instagram) (4)
Sindicato paralisa agências do Santander em Ribeirão Preto
Blue Modern Business Agency Flyer (Post para Instagram) (3)
Campanha Nacional: Segurança bancária é cobrada durante...
Um Dia pra chamar de seu (3)
Avançam negociações sobre teletrabalho
Novo Estatuto (2)
Caixa se compromete a contratar mais empregados
Novo Estatuto (1)
Santander: Sindicatos conquistam anistia maior para ban...