Santander, não concordamos com o retorno do grupo de risco ao presencial!

Foto: Paulo Flores / Contraf-CUT
Publicado por:Rogerio Novaes

Em reunião com o banco Santander, na manhã da sexta-feira (18), o movimento sindical bancário reforçou que é terminantemente contrário ao retorno ao presencial dos trabalhadores do grupo de risco para Covid-19. O comunicado do banco, divulgado na semana passada, convoca todos os trabalhadores que têm comorbidades, incluindo grávidas e funcionários não vacinados, para o trabalho presencial a partir de 4 de abril.

“Nessa reunião, que contou inclusive com a médica do trabalho que assessora o banco, deixamos claro que essa medida é uma temeridade, principalmente com a chegada da variante Deltacron no Brasil e no mundo. Ainda não podemos falar em fim da pandemia. Quem determina o fim da pandemia é a OMS (Organização Mundial da Saúde) e não o governo federal”, destacou a coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE Santander), Lucimara Malaquias, que é dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região.

Diante da postura do banco, o movimento sindical orienta os bancários e bancárias que não se sentirem seguros em voltar ao presencial que procurem seus médicos assistentes para laudos que indiquem a condição de saúde do trabalhador e se há ou não segurança para o seu retorno. Pois o banco se comprometeu em avaliar individualmente os casos em que o médico do trabalhador não recomenda o retorno.

O banco também se comprometeu em analisar individualmente os casos de não vacinados que têm justificativa médica para não terem tomado a vacina contra o coronavírus.

Carta ao Santander e mobilização nacional

Ainda nesta sexta-feira, foi enviada uma carta ao banco reforçando a posição contrária ao retorno e elencando reivindicações do movimento sindical na tentativa de minimizar os impactos e riscos para esse grupo. Entre elas:

  • a reivindicação de que se mantenha a obrigatoriedade do uso de máscaras, independentemente da legislação local;
  • e que a equipe médica do Santander forneça um documento no qual especifique tecnicamente quais são as medidas que o banco está tomando para garantir a segurança, a saúde e a vida dos trabalhadores de maior risco.

“É importante ressaltar que o médico do trabalho tem responsabilidade legal em todas as assessorias e orientações que ele dá para o banco Santander”, observou Lucimara.

Além disso, o movimento sindical está tirando um calendário de lutas e denúncias contra o Santander. “Aumentaremos a mobilização nacional contra essas medidas e estamos estudando, inclusive, denúncias formais a órgãos competentes. O momento é de apreensão, a pandemia não acabou e a responsabilidade é de todos na prevenção contra o vírus”, concluiu.

Fonte: SPBancários, com edições da Contraf-CUT

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Relacionados

NEGOCIAÇÃO ARTES (9)
Categoria bancária consegue suspender debate sobre trab...
NEGOCIAÇÃO ARTES (8)
Campanha Nacional: negociação conquista avanços no comb...
NEGOCIAÇÃO ARTES (7)
Foi alterado o Tema da próxima mesa com Fenaban para Ig...
Assédio Moral
Sindicatos convocam Dia Nacional de Luta contra o asséd...
CARDS-FEEB-11
Bancários querem mais contratações, fim das demissões e...