Plenárias esclarecerão proposta do Saúde Caixa

Publicado por:Rogerio Novaes

Sindicatos terão até quinta-feira (14) para realizar as plenárias

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) emitiu um comunicado na tarde desta sexta-feira (8) orientando os sindicatos de bancários de todo o país a realizarem plenárias com os empregados da Caixa Econômica Federal para socializar as informações sobre o debate que está sendo realizado entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) e o banco sobre a proposta de manutenção e custeio do Saúde Caixa e as condições de trabalho no banco. A orientação é para que as plenárias ocorram nos dias 13 ou 14 (quarta ou quinta-feira).

Para a coordenadora da CEE/Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt, que também é secretária de Cultura da Contraf-CUT, as discussões são extremamente necessárias para explicar aos empregados como está o embate com a Caixa na defesa do plano de assistência à saúde.

“São assuntos urgentes. Precisamos defender o Saúde Caixa e a maneira mais efetiva é a mobilização de todos. Tivemos uma vitória recente e muito significativa, que foi a revogação da CGPAR 23. Mais uma vez precisamos do envolvimento e união de todos, ativos e aposentados, para defender nosso direito à saúde e ter um plano de qualidade, sustentável e viável para todos”, disse.

Fabiana lembrou que o tema já foi debatido durante o 37º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), ocorrido nos dias 6 e 7 de agosto de 2021 e, mais recentemente, no dia 29 de setembro, em uma reunião transmitida ao vivo pela Contraf-CUT e pela Federação Nacional das Associações da Caixa Econômica Federal (Fenae).

Premissas e modelo de custeio

A dirigente da Contraf-CUT também reforçou a necessidade de manutenção do modelo de custeio 70/30 (70% dos custos arcados pelo banco e 30% pelos empregados) e as premissas do Saúde Caixa – a solidariedade, o mutualismo e o pacto intergeracional – princípios fundamentais para manter o Saúde Caixa viável e justo para todos. Já a Caixa, segundo publicação sobre o plano de Saúde, sugere a individualização da mensalidade e a cobrança por faixa etária, como previa a derrotada Resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR 23).

“Sabemos que a conjuntura política é muito desfavorável aos trabalhadores e aos seus direitos, mas conhecemos a disponibilidade de luta e a efetividade da nossa unidade e resistência para impedir que a direção do banco torne o pagamento do plano inviável para a maioria dos trabalhadores”, ressaltou Sergio Takemoto, presidente Fenae.

Saúde Caixa para Todos

O médico e consultor da Contraf-CUT e da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Albucacis Pereira de Castro, também alertou sobre a importância da manutenção das premissas de solidariedade, pacto intergeracional e mutualismo no Saúde Caixa.

“O plano de saúde é o benefício mais procurado por quem não tem emprego. Para quem tem, como é o caso dos empregados Caixa, a preocupação é sobre a rede de atendimento, reembolso, rapidez no atendimento, com uma visão personalizada. No entanto, é preciso enxergar um plano de saúde com uma visão humanista, para beneficiar a todos. Um plano de saúde tem que dar universalidade, integridade para todos, assim como é o SUS (Sistema único de Saúde)”, explicou o médico.

Resgate histórico do Saúde Caixa
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Relacionados

DaniellaMarques
A SUCESSORA
NEGOCIAÇÃO ARTES (5)
Sindicato pede afastamento de Pedro Guimarães
CARDS-FEEB-11
Bancários querem mais contratações, fim das demissões e...
NEGOCIAÇÃO ARTES (4)
Levantamento aponta redução de postos de trabalho bancário
NEGOCIAÇÃO ARTES (2)
Trabalho bancário nos fins de semana será tema de audiê...